Setasc implantará Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

02/07/2019 11:45

Grupo será composto por integrantes das secretarias de Saúde, Educação e de Segurança

Visando fortalecer a rede de combate ao tráfico de pessoas em Mato Grosso, a Secretária de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc-MT) irá implantar o Núcleo Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Netrap). A previsão é que o grupo, que será formado por integrantes também de outras secretárias do Estado, como a da Educação, Segurança e Saúde, comece a atuar ainda nesse semestre do ano. 

A secretária da Setasc, Rosamaria de Carvalho, afirma que a finalidade do Núcleo é acolher as vítimas e receber as denúncias pra direcioná-las aos demais órgãos competentes. “Haverá todo um trabalho em conjunto para combater o tráfico de pessoas, cuja luta está inserida na pasta de Direitos Humanos da Setasc, através do Comitê Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Cetrap)”, pontua. 

A secretária adjunta de Direitos Humanos, Salete Morockoski, acrescenta que foi firmado um convênio com o Governo Federal, que irá fornecer recursos para a implantação do Núcleo. O Estado também fortalecerá o combate ao tráfico de pessoas através de um trabalho em conjunto com o governo da Bolívia. No final deste mês está programada uma reunião bilateral para discutir o assunto. “A região da fronteira com a Bolívia é extensa e precisamos estreitar o diálogo entre os dois países para evitar a violação de direitos”.

Dados da Secretaria de Segurança Pública de Mato Grosso (Sesp) mostram que mais de 500 pessoas foram vítimas de tráfico, entre 2013 e 2017, direcionadas, na maior parte, para o trabalho escravo.  A coordenadora do Cetrap, Dulce Regina de Amorim, explica que o Comitê é um órgão colegiado composto por organizações da sociedade civil e poder público com a finalidade de prevenir e enfrentar o tráfico de pessoas no Estado. “Desde a sua constituição, em 2009, vem realizando atividades de sensibilização da sociedade civil, que resultaram no aumento denúncias sobre este tipo de crime”.

 

Fonte: Setasc-MT