MPF promove Audiência Pública para debater construção de usina na região Araguaia

11/08/2016 04:51

O projeto de construção da hidroelétrica Boaventura e seus impactos socioambientais foram temas debatidos com participação de especialistas, representantes de órgãos públicos, comunidades indígenas Xavante e Bororo e diversos segmentos sociais.

O Ministério Público Federal de Mato Grosso realizou audiência pública, (10.08), para debater com a população possíveis impactos socioambientais, decorrentes da construção da Usina Hidroelétrica- UHE Boaventura, que o governo pretende implantar na região Médio Araguaia. Atendendo à solicitação formulada pelo MPF, através da Procuradoria da República no Município de Barra do Garças, referenciando inquérito civil, o evento aconteceu no Plenário da Câmara Municipal.

Durante o debate, foram apresentados detalhes de estudo do projeto de construção, análise crítica sobre relatórios de impactos e de custos e benefícios; discutido fatos de possibilidades de grande impacto dos recursos naturais, afetando, não só recursos hídricos, cursos dos rios Garças e Araguaia, mas também a fauna e flora, áreas de proteção ambientais, parques e comunidades de reservas indígenas seriam extremamente prejudicados. Alterando ainda o desenvolvimento socioeconômico do setor rural e do turismo ecológico regional. 

No plenário da Câmara Municipal, além de manifestações contrarias à execução do projeto, houve reivindicações com lista de abaixo assinado e protestos com apresentação de cartazes.

Representando a comunidade indígena Bororo, Adriano, da Terra Indígena Merure, discorreu sobre eventos que contrariam ‘espirito da vida’ e enfatizou o que representa os elementos da natureza, como equilíbrio vital, importante para a sobrevivência de todos. Se posicionando contrário a construção da hidroelétrica, concluiu - “Vamos resistir até o último minuto para que essa usina não seja construída”.

Redação

Tribuna do Araguaia