Justiça de Mato Grosso tem quase um milhão de processos acumulados

14/10/2016 13:06

Corregedoria diz que quer zerar processos acumulados até 2013.
Em outubro deste ano, Justiça tinha 964 mil ações acumaladas.

 

A Justiça de Mato Grosso tem quase um milhão de processos judiciais acumulados. A Corregedoria de Justiça de Mato Grosso afirma que a meta é zerar esse número e cumprir as normas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça. Em abril deste ano, eram 992 mil ações acumuladas. No dia 11 de outubro, essa marca baixou para 964 mil.

"Queremos acabar com os processos que foram distribuídos até 31 de dezembro de 2012 na Justiça comum e até 31 de dezembro de 2013 nos juizados", disse a corregedora do TJMT, desembargadora Maria Erotides Kneip.

Nesta quinta-feira (13), a Corregedoria lançou um novo portal, com informações como a quantidade de processos acumulados e produtividade dos juízes. “A Justiça precisa ser isso, transparente. A Justiça precisa ser cobrada. Nós ganhamos para mostrar o que fazemos e precisamos mostrar muito bem o que fazemos”, disse a corregedora.

A morte de Claudeci Pacheco, que foi atropelado por um carro em alta velocidade quando saía da universidade com sua moto, está entre esses processos acumulados. O caso aconteceu em 2010, mas a família ainda não se conforma com a falta de punição para o motorista do veículo, que fugiu sem prestar nenhum socorro.

A mãe, Nair Pacheco, diz que os dias e as noites são à base de medicamentos para suportar a perda de Claudeci, que era o filho mais velho. “Não consigo aceitar a tamanha irresponsabilidade de um jovem de 21 anos sair em alta velocidade e atropelar, ceifar a vida do meu filho”, disse.

A irmã de Claudeci não se conforma com o que considera ser impunidade. O suspeito do crime sequer perdeu a carteira de habilitação provisória e continua em liberdade. “Por que não andou o processo? A Justiça é tão lenta assim? Porque até então você tem a sensação que a Justiça não é lenta, ela está parada", disse Gisele Pacheco.

A morte por atropelamento de Claudeci só virou processo em 2012 e, de lá para cá, dizem os familiares, nada avançou. A corregedora Maria Erotides comentou o assunto.

"Não é justo que uma pessoa tenha morrido em um crime em 2010 e até hoje o culpado sequer tenha sido ouvido. Nós vamos fazer um monitoramento, colocar uma auditoria para verificar o que está acontecendo e eu quero dizer à família da vítima que a corregedoria vai estar atenta à tramitação desse processo”, disse.

 

Fonte: G1 MT