Aos 17 anos, jovem vê oportunidade de tocar em Orquestra

20/06/2016 14:45

“Não sou indeciso, sei definir bem o que quero e corro atrás dos meus objetivos”. Com essa determinação o estudante do 3º ano do Ensino Médio, Elias Felipe de Oliveira, 17 anos, está prestes a avançar mais um degrau no projeto de se tornar um músico profissional. Habilidade não lhe falta, como atestam seus professores.

 

Nos próximos dias, a convite do músico e instrumentista Marcello Mendonça, Elias terá a oportunidade de fazer uma prova para tocar na Orquestra Sinfônica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). “Será um teste de aptidão, necessário para conhecer o nível técnico dele, para ver as possibilidades. O primeiro contato com os integrantes da Orquestra já aconteceu. Vamos torcer, Elias tem potencial, é um menino talentoso”, revelou Marcello, que acompanha Elias no Projeto Prinart, desenvolvido na Escola Estadual Antônio Tita, uma das salas anexas da Escola Estadual Antônio Epaminondas, em Cuiabá, onde o rapaz estuda.

 

Enquanto isso, apesar da expectativa, Elias é centrado. “Na verdade, como amo a música e sonho em fazer faculdade de Música, é natural que eu almeje tocar na Orquestra Sinfônica. Mas acho difícil eu entrar, os profissionais que a compõem estudam cerca de 10h por dia, há entre eles formados na área, outros que entraram por concurso. É bem complicado, mas não impossível. Vou encarar”, ponderou o jovem que divide seu tempo com os estudos, o trabalho e a música.

 

Vocação

 

O gosto pela música chegou cedo para Elias. Aos sete anos de idade, começou a estudar teoria musical, para entender de ritmo e nota, por vontade própria. “Eu pensava que tocaria violão, mas quando vi o violino me interessei mesmo sem conhecê-lo. Sua forma, a fama dele ser o rei da Orquestra, a postura, a sonoridade. Enfim, não pensei em outra coisa”, define Elias, que sempre arruma tempo para aprender mais do instrumento.

 

Assim, o estudante que sempre compôs a rede pública de ensino, afirma que irá trilhar os passos necessários para conquistar seus sonhos. “Também entendo de contrabaixo, rabecão, violoncelo e viola. Mas minha paixão mesmo é o violino”, pontuou Elias, que já serve de espelho para os irmãos menores. “Um dos meus irmãos toca violino, o outro trombone”, conta, demonstrando contentamento pelas escolhas.

 

Apoio

 

Marcello Mendonça é um dos integrantes (percussionista) da Orquestra Sinfônica da UFMT e professor do Prinart na Escola Antônio Epaminondas. Músico bem sucedido em 30 anos de carreira e apaixonado pela educação, conta com o apoio do diretor Éber Correa e do coordenador pedagógico Jackson Regis nas ações que desenvolve com os alunos.


Assessoria Seduc-MT